Tripas Têzero
— desde 2000 —

Quando se passa na rua Clube dos Galitos, bem à porta do “Tê Zero”, o primeiro sinal de que alguma coisa acontece de muito bom é o cheiro. Depois, num dia normal, a fila para comprar a famosa Tripa: “às vezes as pessoas, principalmente os turistas, ficam à espera e nem sabem bem do quê. Depois quando são atendidos, surpreendem-se. Isto é algo que é nosso, de Aveiro, e pela experiência que tenho, não há meio-termo. Ou se gosta muito ou não se gosta nada. Felizmente que o saldo é positivo, assim numa proporção de 80/20 por cento”.

É desta forma que Paulo Pinheiro explica aquela que foi a sua visão, há 16 anos atrás, quando abriu o Tê Zero, o espaço aveirense onde as Tripas são o único cartão de visita, mas por opção: “quando abrimos, logo após o 11 de Setembro, tínhamos também outras coisas, como Francesinhas. Mas rapidamente percebi que eram as tripas o que fazia a diferença. Mas porque são as melhores de todas. E também são as mais caras, mas isso, digo-o de forma descomplexada. Ninguém as faz como aqui, pois o segredo está na massa, e esse, o verdadeiro, é só meu.”

No Tê Zero a Tripa pode ser “recheada” ou “enfeitada” com qualquer coisa. Existem as mais simples e as mais sofisticadas, as com fruta e as salgadas. As naturalmente doces, fitas com todas as variantes e marcas do chocolate, e as que o cliente imaginar. Uma das mais estranhas já pedidas, mas fazível como qualquer outra, foi a de “gelado com fiambre”, diz Paulo Pinheiro, que orgulhosamente completa: “são poucos os clientes que aqui comem uma tripa, que antes não lhe tiram uma fotografia e a publicam nas redes sociais. Não há melhor publicidade que essa!”.  
Tê Zero

 

2018-01-03T15:23:03+00:00